quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Ushuaia: Museu do Fim do Mundo e Casa de Governo

A maioria dos turistas vão ao Museu do Presídio e Marítimo que possuem um grande acervo incluindo obras de artes. Escolhi o Museu do Fim do Mundo pela localização e o preço. Antes de escrever este post fui verificar no TripAdvisor que o Museu Marítimo tem uma posição melhor e mesmo assim, boa parte dos comentários é que, não tem muita coisa para se ver, é desinteressante e que é melhor ver outra coisa. Me parece que ver museus não é uma das melhores atrações em Ushuaia.  Mas enfim, para que você saiba vou te contar como é o Museu do Fim do Mundo.



Como disse, este museu é mais barato, 90 pesos, o Marítimo custa 150. Neste prédio funcionou o Banco Nacion até 1976 e na primeira sala aprendemos sobre a Era do Gelo e formação dos glaciares que uniam a ilha Terra do Fogo ao continente. Bem como, sobre os primeiros habitantes desta região, os índios, de diversas etnias: Kawéskar(alakaluf), shelknam(onas), mannekenk(haush) e yámana(yhaganes), este último habitaram a parte sul da ilha correspondente a Ushuaia. 

Materias usados pelos canoeros, nômades marítimos



O museu apresenta os primeiros missionários religiosos que ali chegaram, os anglicanos chegaram por volta de 1869 e em 1871 o inglês Thomas Bridge, primeiro homem branco na Terra do Fogo, estabelece a missão anglicana em Ushuaia. Depois vieram os salesianos , um deles foi José Fagnano. Depois se destaca os primeiros exploradores marinhos, como Fernando de Magalhães que em 1520 descobriu o Estreito e Willem Schouten e Jacob Le Maire que em 1616 contornaram o Cabo de Horn. Até 1914, ano da inauguração do Canal do Panamá, esta era a única via de comunicação entre o Oceano Atlântico e o Pacífico. Mais à frente, destaca se os exploradores terrestres que eram enviados em expedições para reconhecimento das riquezas deste novo território. Alguns deles: Luis Piedra Buena, argentino que saiu a explorar a Patagônia em 1859 e Augusto Laserre, argentino que chegou em 1884. No alto vemos o mascarón da embarcação inglesa Duquesa de Albany que naufragou em 1893 perto de Caleta Policarpo, Argentina.


Naufrágios nas costas fueguinas
Porém o que mais gostei de ver foram as aves empalhadas.






O bilhete te dá direito a visitar a Casa de Governo que fica num prédio mais adiante na mesma rua e foi onde funcionou a sede do governo local e possui móveis da época da magistratura . Você não precisa ir no mesmo dia pois há uma tolerância. Fui no dia seguinte. Lá você vai observar a evolução das diferentes navegações: holandesas, francesas, inglesas, espanholas e portuguesas. E como a disputa entre elas motivaram a descoberta de territórios tão longínquos como a Patagônia. Além de percebermos as diferentes cartografias de uma mesma região que foi sendo descoberta aos poucos.




Bem, dependendo da sua disposição, pode não ser tão interessante visitar os museus, mas esta é uma forma de conhecermos a região mais austral da Terra do Fogo que recebeu este nome por causa das fogueiras observadas por um de seus exploradores, Fernando de Magalhães.


Confira outros passeios aqui:
Siga o Vaneza com Z em:

O Blog Vaneza com Z não possui parceria com nenhuma das empresas ou serviços citados no texto sendo uma escolha pessoal a escrita do post.

Quer apoiar o Vaneza com Z? Faça sua reserva de hotel através do blog na barra lateral, assim receberei uma comissão e você garante o melhor preço através do site Booking.com.

Nenhum comentário :

Postar um comentário

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...